Arquivo para pelada

Personagens da Pelada

Posted in Esportes, Viagens with tags , on 30/10/2011 by Kilminster

Todo mundo que se arrisca a uns chutinhos na pelada, sabe que existem algumas personas nas quais sempre tem alguém que se enquadra. Impressionante como só mudam os atores, os personagens são sempre os mesmos.

O Juiz: Esse é o semeador da discórdia. Todo mundo sabe que na pelada não tem juiz, é “Pediu, parou”. Mas ele não. Ele cria polêmica, briga por lateral, diz que foi mão quando foi no peito. Inferniza qualquer pelada.

O Joystick: É aquele cara chato que acha que pode controlar os outros como em um videogame. “Volta”, “Chuta”, “Toca lá”, são as frases que mais ouvimos dessa figura. Normalmente fica irritadíssimo se receber qualquer instrução de outro jogador.

O Cone: É sempre um tiozinho, ou alguém muito fora de forma. Como não consegue correr, fica parado em algum setor do campo. Não consegue pegar bolas em progressão, então, mesmo que você o ponha na cara do gol, se a bola não for no pé, ele vai chiar.

O Grosso: Ele até joga bem, só não sabe dominar, driblar, chutar ou passar. Fora isso, tudo bem. A principal característica é a assiduidade. Um grosso nunca falta. Ele está sempre lá. Chega cedo, aquece e fica lá, enquanto os outros brigam para não ficarem com ele no time.

O Pelé: O gênio da bola. Este cidadão é incapaz de fazer uma jogada simples e eficiente. Isso é pouco para ele. Ele precisa fazer mais, precisa manifestar sua genialidade, mostrar que é bom e embasbacar a platéia. Tem que dar um toquinho a mais, uma pedaladinha, uma ginga e perder a bola.

Ah, o Futebol…

Posted in Esportes, Olhares with tags , on 14/01/2010 by Kilminster

Os italianos costumam dizer que comer e beber são as melhores coisas que uma pessoa pode fazer vestida. Fato. Porém, no universo masculino, uma terceira atividade pode ser incluída, jogar futebol.

Sei que é difícil para as garotas compreender os porquês que levam seus maridos, namorados, irmãos, pais, primos e afins a se digladiarem no meio de seus amigos por causa de uma bola.

Eles ficam lá correndo como loucos, dando trombadas, discutindo, levando caneladas, escorregando, caindo, gritando, se empurrando e brigando. E então acaba o tempo e eles saem completamente exaustos, suados e felizes.

Na seqüência, um banho e cerveja. Aí ficam comentando os lances “incríveis” da partida, tirando um sarrinho uns dos outros e se vangloriando das próprias jogadas.

Mas por que?

Simples. É que quando o cidadão está jogando futebol, nada mais existe. É o jogo e nada mais. Não existe trabalho, não existem contas a pagar, não existem problemas, não existe nada. Existe só o jogo. E então a pelada toma ares de terapia. É uma descarga de energia, tanto física como mental que permite um relaxamento sem igual. O futebol permite canalizar a agressividade, descarregar adrenalina, esvaziar a mente, queimar um pouco de barriga, exercitar as pernas e confraternizar com a galera.

A galera não precisa nem ser de amigões, aqueles que você chama para ir a sua casa, basta apenas que sejam os caras do futebol. Aqueles que faça chuva ou faça sol ou até mesmo chova canivete, vão estar lá no dia e hora marcados para bater a tradicional bolinha.

Enfim, além de comer e beber, a melhor coisa que uma pessoa pode fazer vestido é entrar numa pelada.

E ela se preocupa com as fotos da Playboy…

Posted in Olhares, Viagens with tags , , on 10/09/2009 by Kilminster

A julgar pelas roupas que ela usava, ter fotos pelada circulando por aí não é nada…

Xuxa

Matou a Pau!

Posted in Esportes, Olhares with tags , , , , on 27/08/2009 by Kilminster

Há de se reconhecer a genialidade quando nos deparamos com ela. Para as meninas poderá parecer chocante, mas é absolutamente real e essencialmente justo. Reproduzo abaixo texto de Maurício Barros para a revista VIP que me foi enviado pelo Milho:

 Você é homem ou rato?

No futebol com os amigos, a gente vê quem tem caráter. O escritor Albert Camus, que era goleiro, já dizia que tudo o que aprendera sobre os homens vinha dos campos de futebol. Pura verdade. Tinha um cara na minha pelada semanal que cavava faltas. Acredita? Pode um sujeito simular falta onde o que vale é a palavra de cada um, a lei do “pediu, parou”? Justamente porque não tem juiz e o árbitro é a consciência? Pois é, o dito fazia isso. Um pária.

Se quisermos ter uma vida decente, há certas coisas que não devemos fazer no nosso sagrado jogo semanal. Dizer que vai e não aparecer, por exemplo. Só pode em caso de morte – própria ou de parente coladinho (tio já é muito longe, e sogra vai de você se vale ausência ou churrasco). Porque a diversão de todos depende da presença de cada um. Jogar com um a menos, pegar um cara emprestado da outra quadra, fazer goleiro-linha avacalham qualquer partida.

Outra coisa inadmissível em pelada é não querer revezar no gol. Tem que ir e pronto. Tem muito gaiato também que, aos primeiros chuviscos durante a tarde, se vê no direito de faltar porque “como tava chovendo pensei que não ia ter jogo”. Esse tipo deve ser defenestrado, nunca mais chamado pra nada. Intempéries não é motivo de cancelamento de jogo. Nunca.

E tem também o que se finge de morto na hora de revezar quando tem um a mais no quórum. “Quem sai agora?”, e o cara quieto, esperando alguém que já saiu se candidatar de novo. Sem falar no imbecil que fica reclamando do goleiro. Goleiro de pelada é um ser à parte. Superior. Abnegado, uma espécie de santo que topa ficar levando bolada enquanto os outros correm. Não se reclama dele nunca. Na nossa pelada, os goleiros não pagam o aluguel da quadra. É nossa forma de agradecer por eles existirem

Verdade é que qualquer um desses deslizes de caráter é muito mais grave do que uma entrada mais dura. Um xingamento aos berros ou cara feia depois de um gol perdido – tropeços assim são esquecidos já no vestiário ou na mesa da cerveja. Aqueles outros, não. Quando o cara dá o cano sem motivo, reclama ao ir para o gol, se omite na hora de revezar. Fica botando a mão na bola, está no fundo sinalizando que não merece estar ali com a gente toda semana, compartilhando risadas, raivas, botando pra fora nossos monstros. Deve ser demitido da turma, exatamente como fizemos com o rato que cavava falta…
5 COISAS QUE APRENDI COM O FUTEBOL

1- Respeitar os códigos de conduta. Valem mais que lei

2-Jamais tripudiar (gritar ”Chupa! ”, por exemplo) do adversário após marcar um gol. Ele ganhara o direito de te partir ao meio.

3-Todo goleiro é um santo. Reclamar com ele é pecado

4-A gente não vai ganhar sempre,

5-É melhor ter dois times parelhos do que um mais forte e outro mais fraco – mesmo que você esteja no mais forte

E… A roupa também diz muito sobre o caráter do peladeiro. Jogar de bermuda de surfista, regata e tênis iate é coisa de moleque.