Arquivo para Led Zeppelin

Tudo Se Recicla…

Posted in Sons, Tem Que Ouvir with tags , , , , , , , , on 26/10/2012 by Kilminster

Sabe quando você fica com uma música na cabeça e não sabe qual é? E aquele trechinho fica te martelando e você não consegue se lembrar de onde vem?

Então, isso acontece com todo mundo, inclusive com músicos e compositores. Daí, vira e mexe a gente escuta uma música nova e fica com aquela sensação de “já ouvi isso em algum lugar”, dá só uma olhada:

Uuuuuh-uh, ou Aaaaaaah-ah

A Garota Americana ou a Última Noite

Dando uma aceleradinha…

… eh… tem a ver… olha só o riff do meio…

E esse pianinho…

Opa…

Hummmmm…

Anúncios

The Golden God

Posted in Sons, Tem Que Ouvir with tags , , on 25/10/2012 by Kilminster

Vamos lá, ele está velho, enrugado, a cara do Rei Theodén, já não alcança os agudos, não saracoteia pelo palco, não grita mais “push, push”, enquanto mexe os ombros e não usa mais aquelas calças apertadas? Sim, tudo isso.

Mas por outro lado, ele continua com um carisma gigantesco, uma presença de palco indiscutível, grande musicalidade e usando muito bem a voz que tem hoje.

Se não tenta emular os uivos de sua fase “Golden God”, Robert Plant se reinventa e mata dois coelhos com uma cajadada: abre espaço para experimentações e novos repertórios, ao mesmo tempo em que se mantém longe da persona do Deus Dourado à frente do Led Zeppelin, papel que ele sabe muito bem não lhe caber em 2012, aos 64 anos de idade.

Passeando por várias fases de sua carreira, Plant fez em São Paulo na última terça um show repleto de nuances, texturas, timbres e melodias interessantes, transitando entre o blues, folk, música eletrônica, ambience, rock e música étnica.

Até quando revisita o velho Zep, o faz de modo que as velhas músicas caibam no momento atual de sua carreira, deixando tudo instigante e imprevisível.

O estranhamento inicial com a atmosfera nada “hard” do show se desfez no primeiro “woooah yeah, yeah”. Dali em diante, a lenda do rock mostrou como envelhecer em cima do palco.

A receita é simples, aos 64 anos, não finja ter 22.