Arquivo para jingle bells

Posted in Sons with tags , , on 24/12/2012 by Kilminster

Jingle Bells…

Posted in Olhares, Viagens with tags , , , on 15/12/2009 by Kilminster

Como diria a cantora Simone, ♫Então é Natal…♪… E está aberta a temporada de caça ao presente. O freio do consumismo é solto e todo mundo sai desesperadamente atrás de mimos para a família inteira. Aquela maravilha!

Os shoppings ficam lotados. Tudo vira uma epopéia, desde encontrar uma vaga no estacionamento até conseguir um vendedor capaz de te atender em meio a multidão que se acotovela dentro das lojas.

Isso quando algum menos avisado decide levar as crianças às compras. Elas ficam logo entediadas quando percebem que os presentes não serão só para elas. Aí é choro, manha, gritos, sem contar o tradicional “mãe compra isso, mãe compra aquilo”. Derrubam sorvete, pipocas e algodão doce nos outros, perdem-se de seus pais… uma tragédia.

Então, você sabiamente decide evitar os shoppings e parte para as lojas de rua. Pega o metrozão, desce na São Bento e descobre que para descer a Ladeira Porto Geral é mais ou menos o mesmo que participar da procissão do Círio de Nazaré. Todos andam lentamente, parecendo pingüins em marcha, balançando pateticamente para um lado e outro e dando aqueles passinhos milimétricos enquanto os camelôs berram nos ouvidos das pessoas tentando vender qualquer porcaria.

Depois, você não consegue entrar nas lojas. Os mais experientes, já levam um parente que vai ficar na fila do caixa enquanto o outro vai pegando as compras. E tome bonequnhos de plástico, carrinhos Made in Taiwan, jogos de toalhas, pequenas xícaras de café e muito, muito suor.

E por fim, a aventura final: O metrô na hora do rush carregando um monte de sacolas. O mais curioso é que estes aventureiros das ruas de comércio populares têm um perfil bem definido: mulher, casada com filhos, 35 a 70 anos, baixinha e gordinha, geralmente acompanhada de um filho ou dois com idade entre 7 e 12 anos e sem o menor costume de andar de metrô.

É sensacional ver estas criaturas tentando sobreviver entre os habituées do metrô com suas sacolas, (sempre do tamanho delas ou mais), e rebentos. Elas empurram, acotovelam, caem sobre os outros, brigam com as crianças… Ficam tentando permanecer em pé ao mesmo tempo que tentam segurar os moleques e as sacolas. Um tormento, especialmente para os passageiros ao lado que trabalharam o dia todo e só queriam voltar para casa em paz.

Enfim, é o espírito natalino. Hora de celebrar a vida, o amor entre as pessoas, o Menino Jesus e o abençoado que inventou as compras pela internet.