Arquivo para Classe Média

Dramas de Classe Média

Posted in Momento Sr. Saraiva, Viagens with tags , , , , on 05/07/2013 by Kilminster

preconceito
pre.con.cei.to
sm (pre+conceito) 1 Conceito ou opinião formados antes de ter os conhecimentos adequados. 2 Opinião ou sentimento desfavorável, concebido antecipadamente ou independente de experiência ou razão. 3 Superstição que obriga a certos atos ou impede que eles se pratiquem. 4 Sociol Atitude emocionalmente condicionada, baseada em crença, opinião ou generalização, determinando simpatia ou antipatia para com indivíduos ou grupos. P. de classe: atitudes discriminatórias incondicionadas contra pessoas de outra classe social. P. racial: manifestação hostil ou desprezo contra indivíduos ou povos de outras raças. P. religioso: intolerância manifesta contra indivíduos ou grupos que seguem outras religiões.

 

prepotência
pre.po.tên.cia
sf (lat praepotentia) 1 Qualidade de prepotente; poder superior. 2 Abuso do poder ou da autoridade; opressão, tirania, despotismo. 3 Biol Capacidade de um dos genitores transmitir à prole seus caracteres, em prejuízo do outro.

 

egoísmo
e.go.ís.mo
sm (ego3+ismo) 1 Qualidade de egoísta. 2 Amor exclusivo de sua pessoa e de seus interesses. 3 Conjunto de propensões ou instintos adaptados à conservação do indivíduo. 4 Comodismo.

 

soberba
so.ber.ba
(ê) sf (lat superbia) 1 Altura de coisa que está superior a outra; elevação, estado sobranceiro. 2 Manifestação ridícula e arrogante de um orgulho às vezes ilegítimo. 3 Altivez, arrogância, sobrançaria. 4 Orgulho, presunção. 5 Teol Um dos sete vícios capitais.

 

cegueira
ce.guei.ra
sf (cego+eira) 1 Falta de vista; estado do que é cego; incapacidade de ver; ablepsia. 2 Ignorância. 3 Obcecação, fanatismo. 4 Extrema afeição a alguém ou alguma coisa. 5 Perturbação, desvairamento. C. diurna: V nictalopia. C. noturna: V hemeralopia. C. verbal: incapacidade de reconhecer palavras escritas como símbolos de ideias.

 

subserviência
sub.ser.vi.ên.cia
sf (subserviente+ia2) 1 Qualidade de subserviente; anuência ou sujeição servil à vontade de outrem. 2 Bajulação, servilismo.

http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/

Indignações…

Posted in Momento Sr. Saraiva, Olhares with tags , on 26/03/2013 by Kilminster

E eis que a classe mérdia ficou toda impressionada e, porque não dizer, indignada porque as empregadas domésticas deverão ter seus direitos ampliados.

Estão todos ouriçados porque a criadagem insiste em sair da senzala residual e ter direitos. Onde já se viu? Direitos! E o25-03-2013 governo vai lá e quer aprovar! Agora vai ter FGTS, hora extra, adicional noturno, aviso prévio… Querem ser gente…

Daqui a pouco vão querer morar em casas de tijolos em vez de barracos nas favelas. Vão exigir que as escolas dos filhos melhorem, que os hospitais atendam direito… ou pior, vão querer fazer plano de saúde!

Quem eles pensam que são? A outra que trabalha aqui, em vez de ficar três dias no ônibus pra ver a mãe no Nordeste achou de ir de avião! Você acha? De avião. Pra ganhar tempo. Já foi muito que teve férias… ganhar tempo… Ainda me trouxe uma lembrancinha!!!

Só falta eu ir ao shopping e começar a dar de cara com ela.

Sabe o quanto vai ficar ter uma empregada agora? Hein? Acha que vai ser fácil alugar uma pessoa agora? Como é que eu vou fazer? Cortar TV a Cabo? Cabeleireiro? Vou eu mesmo fazer todo o trabalho? Como assim?

Esse governo vai acabar com tudo, mesmo!

25-03-2013 II

Classe Média

Posted in Momento Sr. Saraiva, Olhares with tags on 26/05/2011 by Kilminster

Classe média é igual a usar o metrô lotado, tá ligado?

É o seguinte, o cara tá na plataforma, louco pra entrar no trem pra chegar no trabalho. Aí o trem chega, já bem cheio, o cidadão empurra o cara mais perto da porta e entra.

Pronto. Uma vez lá dentro, o cara começa a olhar para os outros que estão na plataforma como inimigos, que deveriam mesmo ficar lá fora. Ou então pegarem ônibus. Agora que ele já entrou, o resto que se lasque.

Ele até concorda que deveria haver mais trens, mas para ele andar mais folgado, não para caber mais gente.

Esquece rapidão que até agora há pouco ele estava na plataforma e que amanhã pode estar de novo. Não se considera mais um deles. Agora ele está dentro.

Vive sonhando com a idéia de que um dia vai trabalhar de carro e ajudar a complicar o trânsito da cidade. O que, aliás, pouco importa, afinal de contas ele não vai mais ter que se espremer com os outros.