Arquivo para black sabbath

Tudo Se Recicla Parte II

Posted in Sons, Tem Que Ouvir with tags , , , , , , , , on 19/11/2012 by Kilminster

 

Sabe quando você fica com uma música na cabeça e não sabe qual é? E aquele trechinho fica te martelando e você não consegue se lembrar de onde vem?

Então, isso acontece com todo mundo, inclusive com músicos e compositores. Daí, vira e mexe a gente escuta uma música nova e fica com aquela sensação de “já ouvi isso em algum lugar”, dá só uma olhada:

Que “coincidência”!!!

É só dar uma disfarçadinha no fim…

E acelerar…

Ou desacelerar…

E manter o conceito

Paranoid

Posted in Tem Que Ouvir with tags , , , on 23/09/2012 by Kilminster

É daqueles discos que parecem coletânea, de tantos hits que contém. Tanto que por vezes acaba encostado por parecer que está batido demais. Mas revisitá-lo é uma experiência revigorante e que deixa claro por que este disquinho mudou a música que veio depois. De Metallica a Arctic Monkeys, de Nirvana a Secos & Molhados, ninguém escapa à influência desta banda que se consolida exatamente aqui.

Lançado em 1970, apenas seis meses do impactante álbum de estréia da banda, confirma o estilo do quarteto inglês e define os parâmetros para o que viria a ser o tão falado Heavy Metal.

Não há uma banda de som pesado que não deva algo ao Black Sabbath e principalmente a este disco. Em suas oito faixas estão os fundamentos de tudo que veio depois em matéria de metal. Guitarras distorcidas, power chords, baixo monstruoso, vocais agudos, alterações de andamentos e riffs e mais riffs. Todos hoje considerados clássicos.

Ainda podem ser encontrados traços de psicodelia, blues e muito improviso.

As linhas de baixo de Geezer Butler são um show à parte, dando uma aula de peso, ritmo e harmonia. Ele praticamente sola junto com Tony Iommi em todas as músicas, tocando em walking bass mas com um peso absurdo.

Um disco que merece ser revisitado sempre e que prova a cada audição que, apesar de seus 42 anos de lançamento, permanece atual.

Destaques: As “lado B”, Fairies Wear Boots, Hand of Doom e Electric Funeral.

Dehumanizer

Posted in Sons, Tem Que Ouvir with tags , , , , , on 15/05/2009 by Kilminster

Datado de 1992, esta é uma pérola do rock pesado. Foi lançado em uma época em que o Sabbath era considerado uma banda praticamente extinta que vinha sendo carregada apenas pelo guitarrista Tony Iommi, com formações que variavam disco a disco, que ainda que fossem bons, não estavam a altura do velho Black Sabbath.

DehumanizerMas eis que ressurge o line-up dos excelentes Mob Rules e Live Evil: o baterista Vinnie Appice, com seu estilo fortemente influenciado por John Bonham, o baixista e co-fundador do Sabbath Geezer Butler com suas linhas fantásticas conduzidas com a famosa “pata de urso” e o inacreditável Ronnie James Dio, na minha modesta opinião, o melhor vocalista do hard rock/metal de todos os tempos.

O disco é surpreendentemente moderno, sequer lembrando que tratamos então de uma banda então com quase 25 anos de carreira. Guitarras pesadíssimas, bateria e baixo formando uma muralha sonora, vocais perfeitos e composições inspiradas com um fôlego de fazer inveja a muita banda iniciante. As letras, em vez de bruxas e demônios, traziam temas universais, atemporais, realistas e absolutamente próximos das vidas das pessoas. Indispensável!

Destaque para Computer God, After All, TV Crimes, I,  e Time Machine.

 PS: Nesta sexta e sábado será possível conferir o quarteto veterano em ação em SP!