Archive for the Viagens Category

Pequenos Desgostos do Dia a Dia:

Posted in Momento Sr. Saraiva, Viagens on 31/01/2014 by Kilminster
Você vai abrir seu pacote de salgadinho e ele rasga inteiro, espalhando tudo pelo chão.
Você compra um toddynho e só depois percebe que veio sem canudo.
Tocando violão você se distrai levemente e a palheta cai lá dentro.
Você se ajeita confortavelmente no sofá, vai ligar a TV e descobre que o controle remoto está láááá longe.
Vai pegar um copo de leite na geladeira e na caixinha só tinha meio copo.
Chega sua vez de passar a catraca do metrô e seu bilhete único está sem saldo.
Vai ao mercadinho do lado de casa comprar cerveja e percebe que só a Bavária está suficientemente gelada.

iSala de Espera

Posted in Viagens with tags , , , , , , on 07/11/2013 by Kilminster
A Richie Kilminster Corps. Solutions and Welfare trás para você mais um revolucionário serviço.
Você que não vive sem seu iPhone, você atrapalha todo mundo ao digitar no whatsapp enquanto anda, você que não larga o iPad, você que considera seu smartphone uma parte de seu corpo, você que chora quando não ganha vidas no Candy Crush não pode ficar fora dessa!
Estamos lançando exclusivamente para você a mais incrível e moderna iSala de Espera.
Ela conta com assentos confortáveis, som ambiente bem baixinho, (pra não atrapalhar seu fone), wi-fi e relógio de parede fazendo um interminável e ritmado tic-tac.
E o que você vai ficar esperando em nossa iSala de Espera?
Nada! Absolutamente nada. Por um preço módico você terá um lugar para usar seu gadget sem ter que pagar consulta e sem o inconveniente de um dentista, psicólogo, entrevistador de emprego ou proctologista interromper uma animada conversa no facebook ou até mesmo a exibição daquele viral do youtube.
Não se aborreça mais com estes inconvenientes, venha esperar conosco.
Decoração-para-Salas-de-Espera-FOTO-7

Dormindo na Fila

Posted in Olhares, Viagens with tags , on 18/09/2013 by Kilminster

É só aparecer um show internacional em qualquer lugar que já começamos a ver pipocar matérias sobre gente que acampa na porta do local com sei lá quantos dias de antecedência.

Fico me perguntando qual a eficácia desta prática. Isso porque com minha larga experiência em shows de rock, sejam eles de grandes estádios até de casas menores, sempre fiquei nas primeiras filas quando quis, e não era de chegar horas e horas antes da abertura dos portões, que dirá dias!

A verdade é que quando as luzes apagam e o show começa, polidez e boas maneiras são deixadas de lado. Vale a lei do mais forte, ou daquele que consegue se enfiar nos mais ínfimos espaços.

Todo mundo que quer chegar mais perto empurra, aperta, se aproveita de qualquer vacilo para ganhar umas posições à frente.

E quer saber o que é pior, os empurradores dormiram em suas casas, fizeram uma bela refeição antes de ir para o show e quando chegam lá estão cheios de energia e disposição, enquanto aquele cidadão que dormiu dias a fio em uma barraca precária, na rua, sem banheiro decente, sem banho, comendo ruffles com coca-cola, estará um bagaço.

Fica óbvio quem levará vantagem em um empurra-empurra.

Isso sem falar que o cansaço do acampamento poderá gerar desmaios, quedas de pressão e outras indisposições que acometem pessoas no meio do bololô da grade.

Daí eu me pergunto… Por quê? Por que?

trouxas

 

 

Atualização 23/09/2012: Tô falando… http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2013/09/fas-de-justin-bieber-ja-fazem-fila-no-rio-para-show-em-novembro.html

Ah, Mas Que Sujeito Chato Sou Eu…

Posted in Olhares, Viagens with tags , , , , , on 30/08/2013 by Kilminster

Daí eu olho a programação dos canais de filmes da TV a Cabo e chego à triste conclusão de que nada de interessante está passando. Nem hoje, nem amanhã e nem no outro dia. Ainda bem que não pago esses!

Depois ouço pessoas comentando o quanto é engraçado o novo programa humorístico daquela emissora… Parece um tanto com aquele já clássico, mas é muito engraçado, dizem. Eu vou assistir e sequer um sorriso consigo.

Em uma festa, tocam aquelas velhas músicas de sempre, do mesmo jeito, na mesma sequência. E vem um cidadão especialmente contratado para animar a festa e tudo que ele consegue é me aborrecer.

O Lúcio Ribeiro anuncia a banda do ano e eu vou ouvir e é o mesmo nhén-nhén-nhén de sempre.

No Buffet infantil, uma música insuportavelmente alta pontua toda a festa. Cada passo é cronometrado. As coisas acontecem em um encadeamento planejado e seguido com rigor. O parabéns, então, é um ritual interminável. Haja enfado.

Ah, mas que sujeito chato sou eu que não acha nada engaçado macaco, praia, carro, jornal, tobogã… eu acho tudo isso um saco…” –  Raul Seixas

Mas Como Assim?

Posted in Viagens with tags , , , , on 13/08/2013 by Kilminster

Quando assistimos aqueles filmes de aventura e ação, onde temos heróis fantásticos com muitas habilidades e inteligência e sagacidade acima do normal, ficamos impressionados com a maneira em que estes personagens conseguem passar por todo e qualquer aperto, improvisando e tirando ases da manga a todo tempo.

Porém, existe algo de muito contraditório em um James Bond, por exemplo.

Bond é extremamente inteligente, passou pelos treinamentos mais sofisticados possíveis, tem equipamento de altíssima tecnologia à sua disposição e mesmo assim vive caindo nas mais diversas ciladas. Vira e mexe o Bond pisa em falso e se vê à mercê de seus inimigos.

Às vezes vemos os heróis de ação se metendo em situações onde é mais do que claro que não vão funcionar. Não é possível que eles não saibam que estão caminhando para as garras dos vilões, mas mesmo assim eles vão, felizes e contentes.

Isso acontece com o James Bond, com o Xander Cage, Frank Martin, com o Indiana Jones, com o Conan…

Na verdade, isso acontece só para que nosso intrépido herói saia da enrascada da maneira mais espetacular e espetaculosa possível e assim mostrarem o quanto são geniais.

Maaaas, se os caras são bons, mas tão bons mesmo, por que é que se metem em tantas pataquadas?

heroes

A Hora do Banho

Posted in Viagens with tags , , on 24/07/2013 by Kilminster

Não adianta. Mesmo que as temperaturas caiam tanto quanto possam cair em nosso país tropical, o brasileiro toma pelo menos um banho por dia. É questão de honra.

Só que com as temperaturas baixas como estão, esta não é uma tarefa assim tão simples.

chuveiroMas você se enche de coragem, estufa o peito vai lá… lacra todas as entradas de ar e liga o chuveiro na temperatura de depenar frango 5 minutos antes para esquentar o banheiro. Isso porque você vai ter que tirar a roupa. Insistem todas as convenções modernas que banho se toma nu, haja o que houver.

Aí torturantemente você vai se descascando tirando peça por peça e sentindo que a cada uma que se vai, o congelamento se torna inevitável. Quando termina, você está todo arrepiado e seu bilau se apresenta completamente fora de qualquer padrão de dignidade.

Intrépido, você corre e se enfia embaixo d’água e aos poucos vai sentindo o alívio e o conforto que a água quente proporciona. A incrível sensação de relaxamento toma conta do seu ser e você se sente feliz. Se ensaboa e enxágua rapidamente e percebe o pior… Você vai ter que sair.

Mas a coragem não ajuda… É quando você percebe que para deixar a água quentinha abriu tão pouco o chuveiro que precisa ficar estático, encolhidinho na pose do Oscar para se esquentar. 81st Academy Awards¨ Press Kit Images

E você não vai poder ficar ali pra sempre, então num esforço sobrehumano você sai debaixo da água e corre pra toalha, sem desligar o chuveiro, pra manter o banheiro quentinho, e ainda úmido se enfia no máximo de roupa que puder!

Missão cumprida, é torcer para o tempo esquentar. Senão vai ser a mesma epopeia.

Dramas de Classe Média

Posted in Momento Sr. Saraiva, Viagens with tags , , , , on 05/07/2013 by Kilminster

preconceito
pre.con.cei.to
sm (pre+conceito) 1 Conceito ou opinião formados antes de ter os conhecimentos adequados. 2 Opinião ou sentimento desfavorável, concebido antecipadamente ou independente de experiência ou razão. 3 Superstição que obriga a certos atos ou impede que eles se pratiquem. 4 Sociol Atitude emocionalmente condicionada, baseada em crença, opinião ou generalização, determinando simpatia ou antipatia para com indivíduos ou grupos. P. de classe: atitudes discriminatórias incondicionadas contra pessoas de outra classe social. P. racial: manifestação hostil ou desprezo contra indivíduos ou povos de outras raças. P. religioso: intolerância manifesta contra indivíduos ou grupos que seguem outras religiões.

 

prepotência
pre.po.tên.cia
sf (lat praepotentia) 1 Qualidade de prepotente; poder superior. 2 Abuso do poder ou da autoridade; opressão, tirania, despotismo. 3 Biol Capacidade de um dos genitores transmitir à prole seus caracteres, em prejuízo do outro.

 

egoísmo
e.go.ís.mo
sm (ego3+ismo) 1 Qualidade de egoísta. 2 Amor exclusivo de sua pessoa e de seus interesses. 3 Conjunto de propensões ou instintos adaptados à conservação do indivíduo. 4 Comodismo.

 

soberba
so.ber.ba
(ê) sf (lat superbia) 1 Altura de coisa que está superior a outra; elevação, estado sobranceiro. 2 Manifestação ridícula e arrogante de um orgulho às vezes ilegítimo. 3 Altivez, arrogância, sobrançaria. 4 Orgulho, presunção. 5 Teol Um dos sete vícios capitais.

 

cegueira
ce.guei.ra
sf (cego+eira) 1 Falta de vista; estado do que é cego; incapacidade de ver; ablepsia. 2 Ignorância. 3 Obcecação, fanatismo. 4 Extrema afeição a alguém ou alguma coisa. 5 Perturbação, desvairamento. C. diurna: V nictalopia. C. noturna: V hemeralopia. C. verbal: incapacidade de reconhecer palavras escritas como símbolos de ideias.

 

subserviência
sub.ser.vi.ên.cia
sf (subserviente+ia2) 1 Qualidade de subserviente; anuência ou sujeição servil à vontade de outrem. 2 Bajulação, servilismo.

http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/