Arquivo para setembro, 2012

Ted

Posted in Uncategorized on 27/09/2012 by Kilminster

Por que tem sempre alguém achando que pode decidir as coisas por nós, hein?

Um padre, um pastor, um sei lá o que, um ministro, um virulento postador de facebook ou um glorioso deputado.

Veja só que nosso estimado Protógenes levou seu filho de 11 anos para ver um filme recomendado para maiores de 16 e saiu horrorizado. Disse que ninguém deveria ver aquilo. Segundo ele o filme “passa a mensagem de quem não trabalha nem estuda e usa drogas é feliz”.

Bem… Digamos que se eu não precisasse trabalhar ou estudar, talvez fosse mais feliz mesmo. E quanto às drogas, uma cervejinha está inclusa aí? Se estiver, concordo plenamente com a afirmação acima.

Nosso nobre parlamentar crê que o filme influenciará negativamente as pessoas.

Tudo bem que eu vivo dizendo que minha fé na humanidade anda pra lá de combalida, o que será reforçado tão logo comecem as manifestações favoráveis ao nosso deputado, mas daí a achar que um filme com um ursinho de pelúcia vai desencadear a degradação de nossa sociedade é realmente de lascar.

Se você aceita que um urso de pelúcia ganhará vida e sairá andando e falando, já topou o absurdo e sabe que está diante de uma obra de FICÇÃO! E subentende-se que aí já estamos relaxados e prontos para rir de algo que sabemos irreal, Me recuso a acreditar que alguém assistirá ao TED e encontrará ali uma filosofia de vida.

Quanto ao impacto que a “obra” causará na moral e no entendimento de cada pessoa, isso deve ser restrito à individualidade de cada um. Para ir ao cinema, o sujeito deve pagar ingresso. O mesmo vale para compra e locação de DVD, pay-per-view e até mesmo download ilegal. Ou seja, o filme só será visto se a pessoa tiver a iniciativa de vê-lo. Mesmo a TV aberta ainda oferece a opção “mudar de canal”.

Desta forma, cada um tem o direito de achar o que quiser e inclusive de recomendar ou desaconselhar o filme. Agora de sugerir que este deva ser proibido é passar de todo e qualquer limite.

Pior exemplo para as pessoas são parlamentares que recebem altos salários custeados com impostos pagos pela sociedade e que trabalham de terça a quinta, comparecendo ou se ausentando de sessões conforme interesses de seus conchavos, vendendo votos ou coisa parecida.

Recomendável seria ao deputado que se preocupasse com a situação da educação dos brasileiros para garantir a estes discernimento suficiente para que escolham o que realmente querem ver.

Ficção é só ficção.

 

 

By The Dawn.

Posted in Olhares, Viagens with tags , , on 25/09/2012 by Kilminster

Madrugada é quando chega emendada na noite,

Quando ela é invadida sorrateiramente em meio à música, conversas, copos e risos.

Dormir e acordar antes do sol nascer não vale.

Ela é de quem vem do começo.

Do meio pra frente não é mais hoje, é amanhã.

Só vale quando o sol nascendo é hora de ir pra cama.

Nada de acordar e ver o sol nascer.

Madrugada só conta quando vem no embalo.

Pegando no tranco é dia.

Paranoid

Posted in Tem Que Ouvir with tags , , , on 23/09/2012 by Kilminster

É daqueles discos que parecem coletânea, de tantos hits que contém. Tanto que por vezes acaba encostado por parecer que está batido demais. Mas revisitá-lo é uma experiência revigorante e que deixa claro por que este disquinho mudou a música que veio depois. De Metallica a Arctic Monkeys, de Nirvana a Secos & Molhados, ninguém escapa à influência desta banda que se consolida exatamente aqui.

Lançado em 1970, apenas seis meses do impactante álbum de estréia da banda, confirma o estilo do quarteto inglês e define os parâmetros para o que viria a ser o tão falado Heavy Metal.

Não há uma banda de som pesado que não deva algo ao Black Sabbath e principalmente a este disco. Em suas oito faixas estão os fundamentos de tudo que veio depois em matéria de metal. Guitarras distorcidas, power chords, baixo monstruoso, vocais agudos, alterações de andamentos e riffs e mais riffs. Todos hoje considerados clássicos.

Ainda podem ser encontrados traços de psicodelia, blues e muito improviso.

As linhas de baixo de Geezer Butler são um show à parte, dando uma aula de peso, ritmo e harmonia. Ele praticamente sola junto com Tony Iommi em todas as músicas, tocando em walking bass mas com um peso absurdo.

Um disco que merece ser revisitado sempre e que prova a cada audição que, apesar de seus 42 anos de lançamento, permanece atual.

Destaques: As “lado B”, Fairies Wear Boots, Hand of Doom e Electric Funeral.

People Are Strange II

Posted in Viagens with tags , , , on 17/09/2012 by Kilminster

Realmente o ser humano é complicadíssimo de ser decifrado.

Não importa o quanto os assuntos avancem, o quanto a ciência explique ou o quantos tomos sejam escritos a respeito, esses seres, com os quais compartilhamos o estatus de “espécie”, sempre serão capazes de surpreender.

Por mais que se expandam nossos conhecimentos, como seremos capazes de explicar:

 

–          O uso de mullets;

–          Músicas com refrões tipo “Le-le-lê”, “Io-Io-Io” e afins;

–          A Fanta Maracujá;

–          Os cavaletes de propaganda eleitoral;

–          A propaganda eleitoral em si;

–          Os carros amarelo-ovo;

–          Fotos em redes sociais fazendo bico;

–          O Programa do Ratinho.

–          O Programa do Datena;

–          O Programa do …………….. (insira seu apresentador tosco favorito);

–          Compras coletivas até de coxinha no Bar do Mandioca;

–          Madureira x Entrerriense no Pay-Per-View;

–          Reality Show em que nada acontece;

–          Pessoas que acampam em porta de shows;

–          Pessoas que dormem na porta de lojas para comprar o novo gadget.

To My Friends Abroad

Posted in Viagens with tags , , , on 05/09/2012 by Kilminster

Desde o começo do ano, o wordpress mostra de que países se originam os cliques neste blog.

Pude ver que pessoas de vários lugares já vieram parar aqui, inclusive de países cujo idioma não guarda a menor semelhança com nosso português, como Indonésia, Malásia, Taiwan, Coréia do Sul, Índia, Iraque, Polônia, Sèrvia… e por aí vai.

Para agradecê-los, vai o post abaixo:

Isdh gasdferngi noijfnoisdfn guolsfnrnkski aca dfojrgnns. Hasdfnrn isdh gfsdfjn ejkenrnfiosadnm. Asdnjr cugjnfjs nfoijrn asdn tst.

Gadsfernigi noijfnlsdfin asdkerjndnlkjnlreng tot. Tst knasdnjn fjnoadfkinrj  fnoknoejngjdkaslkmdfn.

Isdh asdnfeor wokjsder malljstta casorjnadjsfnkijer kjeojberkjoff. Fosjnernb flbjsdjnernjdsmnaer!!!

Üsteralkjjdfuioun, lendsnjrgn malljstta casorjnadjsfnkijer? Asdnfeor knasdnjn.

Hasdfnrn isdh gfsdfjn wokjsder malljstta spholdells akebrastjonska.

Gejoojnsdfreg Albuÿnst!

 

At least now we know how they feel reading it here..