Arquivo para 30/08/2012

Encaixotando a Vida

Posted in Olhares, Viagens with tags , , , , on 30/08/2012 by Kilminster

Não é concreto como o que eu escrevi aqui, é mais profundo.

No texto anterior, disse que muita coisa tem que ser feita durante nosso dia, a maioria delas obrigações e tarefas inadiáveis inerentes à nossa rotina. Nosso tempo se esgota rapidamente e nada sobra para que façamos coisas que nos realmente fazem bem e nos dão prazer.

Daí brota a questão, como fazer tudo isso e ainda assim ser feliz? Dar conta de todas as responsabilidades, reduzir cada vez mais o tempo dedicado a nós mesmos e ainda assim achar que está tudo bem.

Acho que a solução é encaixotar a vida, sabe como é? Dividir sua vida em compartimentos, estabelecer a função de cada um e ir acionando conforme a necessidade.

Complicado? Então, é meio assim, você divide sua vida em caixinhas. A caixinha do trabalho, da casa, dos estudos, dos problemas… Umas caixinhas vão ficar mais cheias, outras mais vazias…

Aí você vai precisar criar a caixinha da felicidade onde você vai jogar tudo o que te agrada. Essa caixinha vai ter que ser impermeável, precisará de isolamento contra as caixinhas que aborrecem.

E esta caixinha vai ter que ter uma característica muito importante. Vai ter que ser uma caixa amplificada. As coisas que você colocar nela terão que receber de sua parte uma valorização bem maior que as outras. Tudo o que você colocar lá vai ter que parecer maior, mais intenso e sem dúvida mais importante.

Então, conforme você tiver que fazer as coisas, vai abrindo as caixinhas. Abre a caixinha do trabalho, vai, trabalha e fecha… Abre a dos estudos, vai, estuda e fecha.

Aí você abre sua caixinha de felicidade, onde estão todas as coisas que você gosta e como ela é amplificada, vai fazer mais barulho que as outras. E sua presença será mais sentida. Se der para não fechar após o uso, melhor ainda.

Aí está resolvido. Por mais que você tenha pouco tempo para sua caixa de felicidade, ela vai ter presença mais marcante na sua vida e você vai ter a impressão de que passa mais tempo com ela do que realmente passa.

Acho que só assim…

Agradecimento especial à Mari que fez a pergunta que originou esse texto.