Arquivo para outubro, 2011

Personagens da Pelada

Posted in Esportes, Viagens with tags , on 30/10/2011 by Kilminster

Todo mundo que se arrisca a uns chutinhos na pelada, sabe que existem algumas personas nas quais sempre tem alguém que se enquadra. Impressionante como só mudam os atores, os personagens são sempre os mesmos.

O Juiz: Esse é o semeador da discórdia. Todo mundo sabe que na pelada não tem juiz, é “Pediu, parou”. Mas ele não. Ele cria polêmica, briga por lateral, diz que foi mão quando foi no peito. Inferniza qualquer pelada.

O Joystick: É aquele cara chato que acha que pode controlar os outros como em um videogame. “Volta”, “Chuta”, “Toca lá”, são as frases que mais ouvimos dessa figura. Normalmente fica irritadíssimo se receber qualquer instrução de outro jogador.

O Cone: É sempre um tiozinho, ou alguém muito fora de forma. Como não consegue correr, fica parado em algum setor do campo. Não consegue pegar bolas em progressão, então, mesmo que você o ponha na cara do gol, se a bola não for no pé, ele vai chiar.

O Grosso: Ele até joga bem, só não sabe dominar, driblar, chutar ou passar. Fora isso, tudo bem. A principal característica é a assiduidade. Um grosso nunca falta. Ele está sempre lá. Chega cedo, aquece e fica lá, enquanto os outros brigam para não ficarem com ele no time.

O Pelé: O gênio da bola. Este cidadão é incapaz de fazer uma jogada simples e eficiente. Isso é pouco para ele. Ele precisa fazer mais, precisa manifestar sua genialidade, mostrar que é bom e embasbacar a platéia. Tem que dar um toquinho a mais, uma pedaladinha, uma ginga e perder a bola.

O Símbolo dos Anos 80

Posted in Sons, Viagens with tags , on 27/10/2011 by Kilminster

Antes de mais nada digo aqui que não me refiro aqui aos anos 80 de verdade, mas sim àquela década mítica, celebrada em e-mails e sites da internet, festas Trash e afins.

Isto posto…

Mais do que ternos com ombreiras, toneladas de gel no cabelo, maquiagens extravagantes mullets, sintetizadores, lasers e cores berrantes, a música pop dos anos 80 é marcada pelos indefectíveis solos de saxofone.

Nada daquelas intervenções jazzísticas, ou então algo saído do meio de um naipe de metais. O solo de saxofone dos anos 80 tem um estilo próprio, único e completamente identificável.

Nos anos 80, saxofone era visto como algo sexy, descolado, bacana, maneiro. Toda banda pop que se prezasse teria um saxofonista. Uma música era muito melhor se em dado momento se pudesse ouvir aquele “fuééééééééééééénnnn” roncando no meio da base.

Será que “Never Tear Us Apart” do INXS causaria arrepios nas meninas dos anos 80 sem aquele solo de sax? E o contraponto de “Who Can it Be Now?” do Men at Work? Teria “We Don’t Need Another Hero” da Tina Turner o mesmo impacto? O Bowie entrou na onda com “Modern Love”. E a tensão do interlúdio de “Rio” do Duran Duran, estaria lá?

E o que dizer da sensualidade de “Smooth Operator” da Sade? Ou “Careless Whispers” do Wham!, do glorioso George Michael?

E em terra brasilis, que tal Guilherme Isnard, mais posando do que tocando em “Agora eu Sei” de sua banda, o Zero? E Paulo Miklos mandando muito bem em “Flores” dos Titãs? E o ícone mor do pop sax brasileiro George Israel, do Kid Abelha? O que seria o refrão de “Pintura Íntima” sem ele?

Diga aí, o saxofone é ou não o ícone mor dos anos 80?

Isso era o máximo nos 80's.

Chamadas de Sessão da Tarde

Posted in Viagens with tags on 24/10/2011 by Kilminster

Imagine que aquele locutor que faz as chamadas dos filmes de Sessão da Tarde resolveu fazer as chamadas para as outras sessões de filmes da TV:

 “Um hotel muito louco virando a cabeça de seu zelador” – O Iluminado.

“Alex é o rei da confusão, mas um novo tratamento promete ensiná-lo a se comportar” – A Laranja Mecânica.

“Este tenente linha dura e sua turma infernizam a vida dos nazistas durante a Segunda Guerra” – Bastardos Inglórios.

“Ela entrou para o FBI e agora para conseguir pegar um serial killer da pesada, vai contar com a ajuda de um médico cheio de apetite” – O Silêncio dos Inocentes.

“Fugida de casa, essa gatinha vai usar todo seu charme para se dar bem na cidade grande” – Bruna Surfistinha.

Frases Insuportáveis

Posted in Momento Sr. Saraiva on 21/10/2011 by Kilminster

– Pessoal, dá um passinho pro fundo pra eu girar a catraca.

– Devido à falha em equipamento de via, os trens estão circulando
com velocidade reduzida e maior tempo de parada.

– Paramos para aguardar a movimentação do trem à frente

– Vamos precisar de alguém aqui no feriado.

– Ai, chefia! Pode dar uma olhadinha no carro?

– O seu nome foi selecionado para estar tendo direito a uma oferta exclusiva…

– Bem amigos da Rede Globo…

– Interrompemos a programação para o pronunciamento…

– Tira o pé do chão.

———————————————————————————————————————

Em tempo: O administrador da plataforma antiga deste singelo blog, o IG, mandou um comunicado dizendo que irá tirar do ar a página onde estavam hospedados os textos. Portanto, tive que salvá-los em outro lugar.

Redescobri várias coisas que vou publicar novamente aqui. Se você achar que já leu isso antes, você pode ter razão.

Beijos em vossas almas.

Trânsito Em São Paulo

Posted in Momento Sr. Saraiva, Olhares with tags on 19/10/2011 by Kilminster

Muito se comenta sobre a atual situação do trânsito na cidade de São Paulo, cada vez mais caótico e batendo recordes, dia após dia.

É mesmo insustentável a situação. São inegáveis problemas como o excesso de veículos nas ruas e o transporte coletivo da cidade que é incapaz de atender plenamente a população com um mínimo de conforto.

Entre ficar parado no trânsito um tempão em pé em um ônibus que mais parece um caminhão transportando gado ou ficar este mesmo tempão sentado em seu próprio carro, ouvindo uma música e com ar condicionado, as pessoas passam a preferir a segunda opção, e não sem razão.

Essas e outras razões levam o trânsito paulistano ao caos, mas há uma questão que pouco se analisa quando este assunto é debatido: a incompetência geral dos motoristas.

O percentual de pessoas habilitadas na cidade de São Paulo que efetivamente sabe dirigir é mínimo. A grande maioria sabe apenas guiar o carro, pois dirigir é uma arte muito mais complexa do que apenas virar o volante, acelerar e trocar marchas.
Tal afirmação pode ser conferida de modo empírico em um pequeno passeio de carro pela cidade. Preste atenção e você verá o tanto que os próprios motoristas contribuem para o trânsito.

Tem cara que leva quase vinte segundos para perceber que o farol abriu, pôr primeira e sair, e pior, o segundo da fila, quase sempre espera o primeiro sair para engatar a marcha, em vez de sair sincronizado com o da frente.
Outros, enquanto dirigem, deixam uma distância muito maior do que o necessário do carro da frente, aí quando vêem o amarelo no semáforo, aceleram e deixam parados no sinal os coitados que não têm nada a ver com sua moleza.

Há ainda os que ocupam mais de uma faixa nas grandes vias da cidade, como a Radial Leste ou a Avenida Washington Luiz. O cara fica andando bem devagar e ainda comendo a faixa ao lado impedindo que os demais passem.

O comportamento de certos motoristas diante de radares fotográficos então, é digno de um troféu. A placa indica que a via permite a circulação a 60Km/h, mas o chatão, talvez para mostrar que é bonzinho, reduz a velocidade a 40Km/h para passar pelo radar.

E os piores de todos, aqueles que só se lembram no último momento que vão entrar à esquerda e ficam na faixa da direita. Aí então, o cara bota o braço pra fora e faz todo mundo parar para ele poder passar.
Aposto que se as pessoas fossem menos incompetentes ao volante, haveria uma sensível melhoria no trânsito da cidade. É claro que este não é o único fator, mas que sua contribuição é decisiva no resultado final, ah isso é. Enquanto tivermos essa quantidade de asnos volantes, nosso trânsito baterá recordes todos os dias.

Ah, não!

Posted in Momento Sr. Saraiva, Viagens on 17/10/2011 by Kilminster

Segundo matéria publicada hoje no Terra Magazine, uma nutricionista listou os dez piores alimentos de todos os tempos.

A lista, publicada na matéria, explica do ponto de vista nutricional, por que este ou aquele alimento não é recomendável.

Porém o resultado final do estudo é aterrorizante e desesperador. Faz lembrar aquela canção, tão verdadeira, de nosso Rei Robertão.

Segue a lista, começando pelo pior:

1        Refrigerante Diet: Concordo. É péssimo. Tome cerveja.

2        Refrigerante: Idem ao anterior.

3        Donuts: Pobres policiais do cinema americano

4        Cachorro Quente: Pobres Office-boys.

5        Bacon: Ah, não mano! Bacon é sacanagem.

6        Salgadinhos de Batata: Pô… É pra embalar a cerveja.

7        Batata Frita: O que será das mesas de bar, sem ela?

8        Pizza: Pizza? Pizza? Pizza? Nããããããããããããao!!!!

9        Salgadinhos de Milho: As crianças estão condenadas.

10   Sorvete: Essa lista é coisa de recalcado! VTNC!!!

Abandone tudo isso e viva bem. (?????)

Dieta Eficaz

Posted in Viagens on 10/10/2011 by Kilminster

Precisando perder uns quilinhos? Insatisfeito com os pneuzinhos? A silhueta está inflada? Tudo no lugar e um tanto em volta?

Não se desespere, para tudo há solução.

Esqueça fórmulas milagrosas, remédios perigosos, dietas sacrificantes, privações e sofrimento. Pode ser muito mais fácil que isso.

E o que parece intervenção divina, nada mais é do que a solução mais óbvia, basta almoçar diariamente no Chernobyl, o restaurante da firma.

Sim, é só isso. Encare diariamente a mesmice do cardápio e o tempero único utilizado desde o feijão até a salada e perceba como você vai, naturalmente, comer cada vez menos.

Experimente a incrível sensação de ver seu prato reduzir a cada dia e melhor, perceber que mesmo aquela pequena quantidade te desce goela abaixo com muito esforço.

Em pouco tempo você já notará a diferença. Os quilos vão ficando no passado e aquela velha calça voltará a caber.

Mas nada vem sem esforço! Você terá que se convencer a voltar todos os dias.

Experimente e comprove os resultados.