Arquivo para 23/08/2011

Renato Russo, o Vocalista.

Posted in Sons, Tem Que Ouvir with tags , on 23/08/2011 by Kilminster

Estamos próximos da data que marcará os quinze anos do falecimento de Renato Russo. Há filmes baseados em sua vida e obra a serem lançados, antologias serão preparadas, reportagens, exibição de imagens de arquivo, depoimentos de fãs e etc. e tal.

Muito se comentará sobre como ele foi o porta-voz de uma geração, um poeta, um gênio, um talento sensível, o trovador solitário… Pode ser que ele seja de fato tudo isso, mas me incomoda um pouco a negligência das matérias acerca de Renato com aquele que talvez seja o seu maior talento, o de vocalista.

Esqueça a pieguice de seus álbuns solo e dos últimos trabalhos com a Legião Urbana, concentre-se nos primeiros trabalhos da banda brasiliense e lá você encontrará aquele que foi, talvez, o melhor vocalista do rock nacional.

Dono de um timbre grave e encorpado, utilizava sua voz potente em todas as nuances. Seus fraseados são extremamente ricos e ele aproveita sua extensão vocal ao máximo, sem soar exagerado.

Percebam a maestria com que ele vai desde os gritos raivosos em Metrópole e Geração Coca-Cola à suavidade absoluta em Angra dos Reis e a melancolia de Vento no Litoral, passando pela explosão blueseira em Música Urbana II, Pais e Filhos e… Eduardo e Mônica. Ouçam como a dramaticidade em Há Tempos e Tempo Perdido transmite a inquietação das letras mesmo que nestas não prestemos atenção. Que dizer então dos cromatismos beirando a fala de Índios? Ou então o caos melancólico de vocalizações sobrepostas de Andrea Doria? Ou ainda as passagens fantásticas de grave para agudo e vice versa em Eu Era um Lobisomem Juvenil?

Penso que o Renato Russo vocalista merece mais atenção.