Arquivo para julho, 2011

Diabolus in Musica

Posted in Olhares, Viagens with tags on 29/07/2011 by Kilminster

Algumas invenções da humanidade de tão boas, só podem ter sido inspiradas por deus. O microondas, controle remoto, pizza e cerveja, entre outras são invenções que melhoram muito a vida destes pobres mortais que habitam o planeta terra.

Mas se há a luz é porque existe a escuridão, e se existe deus é porque o diabo está à espreita. E sendo maléfico como é, o tinhoso não poderia deixar de introduzir na humanidade suas invenções macabras.

A mais perversa delas certamente é o karaokê.

Reza a lenda que um belo dia de 1971 em Osaka, um tímido Sr. Daisuke Inoue consultava uma tábua de Ouija para saber se a bela Akiko Yasumaya o amava. O Coisa Ruim, sem perder tempo, interferiu sugerindo que ele inventasse uma máquina que reproduzisse o instrumental de músicas românticas para que ele pudesse cantar para sua amada.

Desde então o mundo jamais foi o mesmo. A maldição do Cramulhão se espalhou da Terra do Sol Nascente para o mundo todo, mais rápido que um tsunami. E ninguém mais conseguiu passar incólume por esta praga.

Mais e mais pessoas sucumbiram e hoje são propagadores da diabólica invenção, torturando vizinhos, amigos e qualquer um que esteja ao alcance com interpretações desafinadas de sucessos populares como Celine Dion, Whitney Houston, Mariah Carey, Chitãozinho e Xororó, Vanessa da Matta e Engenheiros do Hawaii.

Ninguém está a salvo! Eles venceram.

Vida Longa, Restart! Vida Longa, Luan!

Posted in Momento Sr. Saraiva, Olhares, Sons with tags , , on 25/07/2011 by Kilminster

A morte de Amy Winehouse, largamente noticiada e comentada no último fim de semana, gerou uma leva de comentários sobre artistas menos valorizados.

Nas redes sociais, muitos lançavam perguntas sobre quando iriam morrer algumas destas pragas musicais, destacadamente o Luan Santana e o grupo Restart.

Pessoalmente eu gostaria que o Luan Santana viesse a falecer com algo em torno de 93 anos de idade, assim como os Restart com uma média de 87 anos.

Explico: Quem morre jovem tem tendência a virar mito.

Basta verificar o que aconteceu com Jim Morrison, Janis Joplin, Jimi Hendrix, Brian Jones, Keith Moon, Kurt Cobain, Ian Curtis, Mamonas Assassinas, Airton Sena…

Todos estes morreram em seu auge, portanto ficaram livres de terem sua decadência acompanhada pelo público.

Artistas que morrem cedo, não vão fazer participação no programa do Ronnie Von, discutir temas polêmicos na Luciana Gimenez, fazer arquivo confidencial no Faustão, participar de “A Fazenda” e outras coisas ridículas que os fazem cair em descrédito.

Mantidos vivos, apenas os que possuem real talento permanecem. Ondas e modinhas passam. Podem até demorar, mas passam.

Vejamos onde estão hoje o É O Tchan!, Raça Negra, Cia. do Pagode, Bonde do Tigrão, Tati Quebra Barraco, Absynto, Herva Doce, Doutor Silvana e Companhia, Grupo Kaoma, Carrapicho, N’Sync, Backstreet Boys e dezenas de outros que hoje estão esquecidos, de volta ao gueto de onde saíram, ou no máximo se descabelando por qualquer segundo que consigam de exposição na mídia.

Sendo assim, de minha parte, prefiro que dentro de um ano ou menos, os Pê Isso, Pê Aquilo do Restart estejam trabalhando como técnicos de som ou produtores e que o Luan Santana, seja figura constante em rodeios de cidades pequenas do interior.

Antes isso do que mortos se tornando malfadados “ícones de uma geração”, lembrados a cada aniversário de morte nos Globo Repórteres da vida.

Vida longa Restart! Vida longa Luan!

Conjunção Astral

Posted in Viagens on 21/07/2011 by Kilminster

Sabe aqueles dias em que você acorda achando que o mundo é seu? Que não importa o que aconteça tudo vai dar certo?

É uma sensação meio inexplicável, mas que por vezes toma conta da gente nos colocando em estado de graça sem motivo.

Talvez seja Vênus em Aquário e Mercúrio em Touro arquitetando algo que você sabe ser interior, mas parece fluir do universo em sua direção.

Aí música começa a brotar de todos os lados e você descobre que tudo tem outra cor.

Tão bom quanto inexplicável, tão efêmero quanto permanente… poderia acontecer mais vezes.

Refletindo

Posted in Viagens on 19/07/2011 by Kilminster

Interessante… Ás vezes a vida te bota um espelho na frente, de um jeito que você não consegue evitar. Aí você bate o olho e vê algo inusitado, que não esperava.

Fica aquela pulguinha atrás da orelha. Era isso mesmo? Aí você olha de novo e de novo… Fica tentando interpretar, saber se não tem alguma distorção…

Mas no fim das contas, você pelo menos resolve pensar. E mesmo que discorde do que viu, mesmo que tenha uma conclusão diferente, você é obrigado à reflexão e isso é bom.

A gente nunca para pra pensar na vida, pois esta é muito exigente conosco e nossa relação com o tempo é cada vez mais de desvantagem.

Então, se alguma coisa nos obriga a parar um pouco, só pode ser positiva.

 

Copa América? zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

Posted in Esportes with tags on 13/07/2011 by Kilminster

Coisinha chinfrim essa Copa América, não?

As grandes seleções não jogam aquilo que dela se espera e as menores não conseguem ser uma zebra decente.

Brasil, Argentina e Uruguai tropeçam nas próprias pernas e jogam um futebolzinho mixuruca que não justifica o salário que seus principais jogadores recebem em seus respectivos clubes.

A Colômbia não é mais aquela desde os idos tempos do glorioso Valderrama. O Chile é a cara de seu camisa 10, Valdívia, saracoteia, chacoalha, ameaça, balança e no máximo faz fumaça. O Paraguai, como sempre, correria e porrada.

Bolívia, Equador, Peru não dão nem para começo e o México e a Costa Rica mandaram as seleções sub-22.

De interessante mesmo, só a Venezuela, que de saco de pancadas hoje consegue ganhar jogos e até liderar seu grupo! O que não quer dizer que esteja jogando bem.

Poderia ser mais emocionante, mas até agora está sonolento. Espero que na próxima fase as rivalidades aflorem e apareça algum futebol.

Mau Humor

Posted in Momento Sr. Saraiva on 13/07/2011 by Kilminster

Este pequeno espaço de idéias malucas tem parecido um tanto mal humorado, atualmente… Não sei dizer exatamente por que, maaas, como sempre tem um mas, posso fazer uma consideração.

Escrever requer tempo, um pouco de inspiração e alguma paz para organizar o pensamento e ultimamente tem sido difícil conseguir um espacinho no dia para isso. Então, os textos vêm sendo escritos em momentos fugazes, quase sempre na correria para terminar logo e poder voltar a fazer outra coisa.

Aí começa a aparecer o cansaço e quando estamos cansados, dificilmente conseguimos ser divertidos. Acabamos por soltar apenas as coisas que nos incomodam naquele momento. Enfim…

Espero poder em breve dar aquela respirada e voltar a escrever coisas mais amenas.

Aborrecimento Corporativo

Posted in Olhares with tags , on 07/07/2011 by Kilminster

Uma das coisas mais pentelhas do mundo corporativo são as reuniões. Debates intermináveis, que poucas vezes dão algum tipo de resultado, a não ser provocar bocejos nos participantes.

Mas existe algo pior, muito pior! Os treinamentos.

Sabe quando os funcionários são enviados para serem capacitados em uma coisa qualquer? Principalmente quando isso é intangível, tipo “Curso de Capacidade Gerencial” ou coisa do gênero. Pode ter certeza que vai ser terrível.

Começa por aquela coisa de cada um se apresentar. Parece uma reunião do AA, “Oi, eu sou o fulano. Trabalho na empresa há 80 anos e só por hoje eu decidi vir a este treinamento”. Fica aquela ladainha interminável de pessoas falando a mesma coisa.

Depois, o coordenador do curso diz:

         Vamos nos dividir em grupo – Droga!

         Cada grupo vai ter um nome – Ah, meu deus!

         Vocês vão receber um tema e terão uma hora para debater o tema e montar uma peça para mostrar à sala. – #¨*@%**()<> de quem inventou isso!!!

 

Teatro? Teatro? Se fosse para encenar uma peça você procuraria uma escola de artes cênicas, não? Está certo. Saber atuar ajuda no mundo das empresas, onde o forte não é a sinceridade, mas isso já é demais.

E os nomes que as pessoas põem nos grupos? Santa caretice! “Colaboradores S.A”, “Transformadores Ltda.”, “Cia. Gestão de Excelência”… Que saudades da escola onde coloquei no meu time da gincana anual a alcunha de “Equipe Então” ou na faculdade em que minha chapa para concorrer ao centro acadêmico se chamava “Sua Mãe”.

E aí as horas se passam e você faz dobraduras, monta cartazes, canta musiquinhas, interpreta textos, cria frases de efeito, aglutina palavras-chaves e volta no dia seguinte para o trabalho e para sua velha e boa rotina, do meeeeeesmo jeitinho de sempre.