Arquivo para junho, 2010

Afinal o que é Rock and Roll?

Posted in Olhares, Sons on 30/06/2010 by Kilminster

Uma perguntinha fácil por um lado mas muito difícil por outro.

Rock and Roll é um estilo musical, fato. Mas é um estilo tão diversificado que fica complicado encaixar tudo na mesma categoria.

Rock and Roll pode ser punk, rockabilly, progressivo, hard, metal, glam, hardcore, folk… (Indie não é categoria, o termo “Indie” vem de “Independent”, ou seja bandas que não tem contratos com gravadoras e grande divulgação na mídia. Seguindo este conceito, o Korzus e o Torture Squad são Indie, ok?)  Isso porque o rock é canibal e tem tendência ao novo. O rock absorve e regurgita tudo. Tudo cabe no rock.

Agora, uma coisa que não se pode negar é que o rock foi e sempre será contundente e contestador, inquieto e abusado. Rock não pode ser fofo. Se não vai ser agressivo, tem que ser doidão, se não é doidão, tem que ser cachaceiro, e se não for cachaceiro, tem que ser divertido.

Tocar bem é característica marcante, mas não obrigatoriedade. Instrumentistas sensacionais não salvam musicas ruins, mas ótimas músicas salvam músicos toscos. Basta ver o Toto e os Ramones.

Afinal o que é Rock and Roll? É explosão, barulho, doideira e principalmente não se apegar a qualquer regra que seja, porque passam o axé, o pagode, o sertanojo, a lambada, mas o rock está aí, desde a década de 1950 até o fim dos tempos.

Long Live!

O Moleque!

Posted in Olhares on 24/06/2010 by Kilminster

Saramago

Posted in Viagens with tags on 19/06/2010 by Kilminster

(…)é para isso mesmo que nós existimos, para que as pessoas levem toda a vida com o medo pendurado ao pescoço e, chegada a sua hora, acolham a morte como uma libertação, O paraíso, Paraíso ou inferno, ou cousa nenhuma, o que se passe depois da morte importa-nos muito menos que o que geralmente se crê, a religião,senhor filósofo, é um assunto da terra, não tem nada que ver com o céu,(…)
José Saramago – As Intermitências da Morte, p.36 – São Paulo – Companhia das Letras, 2005.

Originalmente publicado aqui em 27/03/2006

Sobre a Copa

Posted in Esportes with tags , , , , on 18/06/2010 by Kilminster

Todos os jogadores da Coréia do Sul se chamam Park!!!

Os jogadores da Coréia do Norte são na verdade taiwaneses disfarçados.

O Parreira conseguiu a proeza de fazer a África do Sul jogar como o Brasil de 2006.

Maradona não é nem de longe o que se pode chamar de técnico, mas pelo menos leva os melhores jogadores.

Dunga é o que se pode chamar de um típico técnico de seleção brasileira. Teimoso, retranqueiro, escala jogadores péssimos e insiste em nos fazer jogar como se fossemos a Bélgica.

Se aguentar o Galvão já era difícil, imagine agora, com uma orquestra de vuvuzelas ao fundo.

Internet no Trabalho

Posted in Viagens on 16/06/2010 by Kilminster

Sabe o que seria legal? Que os sites lançassem suas versões “corporativas”. Não versões para serem utilizadas pelas empresas, mas para serem utilizadas nas empresas.

Em que consistiria isso: os portais da internet adotariam layouts mais discretos e sutis para serem utilizados pelos trabalhadores dos escritórios desse nosso Brasil Varonil.

Nada de fotos enormes, cores berrantes, banners com animações, pop-ups e propagandas chamativas. Tudo seria substituído por tons pastéis, fotos pequenas, letras idem, de preferência sempre em fundo branco, tela despoluída e evitando vídeos e arquivos de áudio tão frágeis aos cruéis firewalls.

E porque tudo isso? Porque nenhum cidadão deste mundo é capaz de aguentar o chefe enchendo as paciências o dia todo sem dar uma escapadela na internet, para saber quanto está o jogo, qual a previsão do tempo, quais as condições do trânsito para ir embora, o que vai acontecer na novela, quem seu time está contratando, quais os horários dos cinemas, programação da TV, checar o e-mail para ver se a galera vai sair para um happy hour, ou até mesmo para ler qualquer coisa besta que ajude a esvaziar as cabeças cheias dos funcionários das mais diversas empresas.

Isto é tão importante quanto as válvulas das panelas de pressão que deixam sair o vapor e fazem aquele chiadinho evitando que a dita cuja exploda. Se não tiver este alívio durante o dia, o cara vai surtar, mais cedo ou mais tarde. Se não for no trabalho, vai ser em casa, no futebol, no trânsito, mas para algum lugar a pressão tem que sair.

Acontece que nossos chefes são muito pouco compreensivos com esta situação e sites de layout carnavalesco chamam a atenção no monitor do pobre funcionário à qualquer distância. Isso sem falar naquele pop up inconveniente que surge no meio da tela quando mostramos nossa nova planilha ao big boss.

Portanto, um site adaptado para ser utilizado na empresa poderia garantir um melhor ambiente de trabalho para todos e evitaria grandes constrangimentos. Ainda mais nessa época de Copa do Mundo. Quem consegue ser alguém sem um lance-a-lance? Podia ter até a opção de configurar o site nas cores da empresa, hein? E as matérias serem exibidas imitando o Word, que tal?

Um grande mercado a ser explorado, definitivamente…

É Chegada a Hora!

Posted in Esportes, Viagens on 15/06/2010 by Kilminster

Abrem se as cortinas torcida brasileira! Times a postos bola posicionada no centro do gramado, o árbitro respeita um minuto de silêncio em memória do grande Fiori Gigliotti, o narrador de todas as Copas, falecido ontem na capital paulista….
Mais uma Copa do Mundo de Futebol. Você que passou os últimos quatro anos sofrendo, torcendo, dando palpites na escalação e aguardando o maior torneio de futebol do mundo, pode abrir o sorriso de alegria!
Tudo posicionado, preparado, o estouro dos fogos e das pipocas na panela já se fazem ouvir. A torcida canta, (♪Sou brasileiro…com muito orgulho…com muito amooooooooooor♪), o tilintar da colher misturando na jarra de suco de maracujá soa da cozinha para a sala e toda família está reunida na frente da televisão. Haaaaaja coração! Agora é pra valer, não é treino, não é amistoso, é a Copa do Mundo que começa é o Brasil-il-il-il que parte rumo à conquista do Hexa!
– E agora, Falcão? Nessa hora acabou favoritismo, acabou oba-oba e tudo mais. Agora é bola rolando dentro das quatro linhas.
– Pois é, Galvão. É claro que o talento do futebol brasileiro é indiscutível, que temos vários nomes capazes de decidir uma partida, mas ninguém ganha jogo no papel. Com a bola rolando é que nós vamos saber quem é realmente favorito. Esperamos que o Brasil possa apresentar seu futebol, que é indiscutivelmente o melhor do mundo.
Apita o árbitro! Está valendo! A firma libera mais cedo, o funcionário chega na mesa, recolhe, domina a papelada, junta tudo, avança pelo meio, pega a pasta o vale transporte, prepara o material e enfia na gaveta!!! Na gaveta, povo brasileiro! Que jogada. É feita a reposição do paletó, ajeita a gravata e parte em direção à portaaããããã.(Comentarista: A porta é um setor muito congestionado neste momento da partida, seria interessante se ele tentasse atuar mais pelos flancos evitando, então, a frente da empresa onde tem muita gente neste momento.) Mas mesmo congestionado ele consegue a passagem, atinge as escadas e começa a descer passa por um, passa por dois, deixa uma velhinha para trás, tromba com o outro em jogada de corpo avança em direção à catraca com o passe na mão, insere, sinal verde ele passa e atinge a plataforma, o metrô já está lá parado, toca o sinal, ele tenta um arranque entra no trem e comete a falta! É falta ele empurrou o adversário! Mas o juiz disse que não foi nada, Repórterrrr!!! (Repórter: O adversário reclama muito de que foi empurrado mas o jogo segue). Continua o trem em velocidade, para em cada estação atrasando o jogo, avança com dificuldade, o miolo da zaga cada vez mais congestionado, chega na estação, e todos descem para fazer a baldeação, jogo disputado, jogo brigado, todos querem chegar primeiroõõõoõ. (Comentarista: Pois é. É jogo de Copa do Mundo, ninguém pode perder, acho que o maior problema está nas baldeações que devem ser feitas com maior rapidez se as equipes quiserem atingir a meta adversária). Segue a partida, Estação Sé, é a maior concentração de jogadores, hein? Acho que utilizando outros setores do campo os resultados poderiam ser melhores. É muito difícil conseguir passagem por aí. (Repórter: acontece que o gramado pelas outras alas do campo está muito ruim, esburacado e os jogadores estão evitando as laterais). Ele consegue sair e agora corre em direção ao terminal o ônibus já está saindo ele dá sinal o ônibus diminui a velocidade ele pula se agarra e está na nova conduçãoõõõõ. Agora só mais um minutos e ele estará diante da TV. (Comentarista: o tempo está passando, continua zero a zero mas ele vem bem, vem confiante, criando oportunidades e acho que antes do final teremos surpresas nesta partida). O Ônibus passa pela avenida ele puxa a cordinha dá o sinal, o busão pára ele desce, sai correndo um quarteirão, dois, três, quatro, vira à esquerda inicia a subida, pega chave abre a porta entra TRANCA A PORTA ATRAVESSA A GARAGEM ENTRA NA SALA PEGA O CONTROLE REMOTO LIGA TELEVISÃO E É GOL! (gol gol gol gol gol)…………
GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL, E QUE GOLAAAAAAAAAAAAAAÇOOOOOOO! (♪É goooool! Que felicidaaade♫) É da torcida brasileira meu povo! (♫É gooool! O meu time é a alegria da cidaaade♪). Ele saiu desde o serviço e chegou em casa em uma hora exata, e na marca das 16:00h e vai assistir o jogo todo no conforto do seu lar. (Repórter: Um golaço, ele venceu todas as dificuldades e conseguiu chegar, ele comemora muito, e no banco de reservas a família comemora muito também). E agora chefe?… (VAI BUSCAR!), Pega, que é sua! (♪Noventa milhões em ação, pra frente Brasil, do meu coração♪). (Comentarista: Golaço! Muito boa a jogada, na base da raça, do coração, deixando a técnica um pouco de lado, mas está aí. Vai assistir o jogo em casa).

Originalmente publicado aqui em 08/06/2006

Isso não, vai… Por favor…

Posted in Esportes, Momento Sr. Saraiva, Olhares on 11/06/2010 by Kilminster

Em 1986, durante a Copa do Mundo, os alegres mexicanos apresentaram ao mundo durante a copa a sensacional Ola, até hoje reproduzida nos estádios do mundo.

A Ola, ou onda, em português, consistia em movimentos realizados em conjunto pelos espectadores de uma partida de futebol, ou qualquer outro evento onde a platéia estivesse organizada em uma arquibancada, sentando-se e levantando-se alternadamente de modo a simular o movimento de uma onda.

O efeito visual interessante e a possibilidade de participação de todos fez com que os brasileiros a adotassem imediatamente de modo que até hoje em jogos e shows a ola tem sua presença garantida.

Agora, em 2010, os sul-africanos  apresentam ao mundo a Vuvuzela.

Ao contrário das já tradicionais cornetas de estádio, que são tocadas como um berrante de boiadeiro, as vuvuzelas possuem uma espécie de boquilha que permite ao feliz tocador de vuvuzela fazer seu barulho sem esforço.

Como resultado, em vez de intervenções esporádicas, as vuvuzelas soam sem interrupções.

Individualmente, uma vuvuzela soa como um elefante, ou sirene, mas em conjunto, elas soam como um enxame de abelhas gigantes e enfurecidas.

Faço aqui um apelo às torcidas do Brasil para que não adotem este apetrecho! Ninguém merece. Aquela barulheira infernal é capaz de deixar qualquer um tonto. Vamos evitar esse desgaste… Isso não, vai? Por favor…