Arquivo para fevereiro, 2010

Pen-Drive Cerebral

Posted in Viagens with tags , , on 25/02/2010 by Kilminster

Somos submetidos diariamente a tanta informação que às vezes parece que não vai caber no cérebro. São as preocupações da casa, do carro, do trabalho, da família, da galera, a viagem, a balada, as contas pra pagar, as pendências disso, daquilo…enfim, uma loucura.

Já que os seres humanos são extremamente imbecis e em vez de desenvolverem a tecnologia para ficarem mais tranquilos deixando as máquinas trabalharem, resolve trabalhar na velocidade das máquinas, algum inventor iluminado poderia fazer a gentileza de criar o pen-drive cerebral.

Este consistiria em um pequeno dispositivo, do tamanho dos pen-drives já existentes e seriam acoplados ao nosso cérebro através do ouvido, (ou qualquer outro orifício, dependendo de onde surjam as idéias do cidadão), e pronto. Você tomaria conhecimento de informaçoes e adquiriria automaticamente diversas competências e habilidades temporariamente, deixando seu cérebro livre para coisas que realmente importam, como cerveja, futebol, música, literatura e coisas que de fato fazem diferença na vida de um ser humano.

Os pen-drives cerebrais poderiam ser carregados com qualquer assunto, o que eliminaria uma série de aborrecimentos, como quando em uma entrevista de emprego o cara te pergunta se você tem experiência nisso ou naquilo. Pouco importa, é só espetar o pen-drive do assunto e ser feliz.

Os pen-drives serviriam para descarregar informações que normalmente descartamos, como o nome daquele primo do tio do irmão do avô da sogra do cunhado da prima do vizinho que você encontra de tempos em tempos e nunca lembra o nome.

Isso sim seria uma tecnologia a serviço do homem!

Algum Professor Pardal se habilita?

Anúncios

Ciganas

Posted in Olhares, Uncategorized with tags , , on 23/02/2010 by Kilminster

Hoje pela manhã me deparei no centro de São Paulo com um pequeno grupo de ciganas que andavam e abordavam as pessoas se oferecendo para ler as mãos dos passantes. Nada muito anormal considerando-se que no Centrão a fauna é muito diversificada e pode-se encontrar sem muito esforço pessoas de todos os tipos, cores, tamanhos e origens.

A visão das mulheres caminhando por lá, me fez pensar na imagem que a arte sempre fez destas formidáveis criaturas, as ciganas. Sempre lindas, misteriosas, sedutoras, apaixonantes, de olhar vivo e penetrante, irresistíveis,maravilhosas, de bom coração e sempre prontas a viver um grande amor. Quem não se recorda da encantadora Esmeralda, de “O Corcunda de Notre-Dame”? No rock então, há referências a elas, seja no título ou nas letras, em músicas do Deep Purple, Dio, Uriah Heep, Guns n’ Roses.

Mas apesar de tudo isso, ainda não consegui descobrir de onde vem essa aura mítica das ciganas. Todas as que vi até hoje eram feias, sujas, com dentes faltando, malcheirosas, andam em grupos com vestidos coloridos estranhos, abordam as pessoas cheias de malícia e malandragem e estão sempre prontas a disparar uma maldição qualquer contra um desavisado que as desagradem de alguma maneira. Ainda não encontrei nenhuma parecida com a Salma Hayek.

Sei lá se na Europa elas são mais parecidas com as dos filmes, mas por aqui passam muito longe. Acho engraçado como essas coisas acontecem. Acho que é mais pela inacessibilidade que estas pessoas representam e a aura de desconhecido que as envolvem. Mas eu nunca encontrei uma como a abaixo, não mesmo.

@richkilminster

Posted in Olhares on 19/02/2010 by Kilminster

Acho que chineses vivem em colméias, ou então em alguma coisa parecida com um cupinzeiro. Não é possível que caibam tantos no mesmo apartamento.

E o Palmeiras achou que com a Fast Shop na manga e Muricy no banco ia sair ganhando tudo. Menos, beeeeem  menos…

O cara que inventar um bate-estacas silencioso deverá ser agraciado com um Prêmio Nobel.

Ainda sobre o carnaval, por que é que desperdiçamos um feriado tão legal com tanta baboseira?

E aí o cidadão começa a meter o pau no país e na cidade cheio da verdade e como se ele não fizesse parte de tudo isso… tsc, tsc…

Posted in Cartoon on 17/02/2010 by Kilminster

Quarta-Feira de Cinzas.

Posted in Olhares, Viagens with tags , , on 17/02/2010 by Kilminster

Aí temos que trabalhar na quarta-feira de cinzas. Tradicionalmente é porque deveríamos passar na igreja pela manhã para pegar a benção do padre para nos purgarmos dos excessos carnavalescos. O padre fazia lá seu ritualzinho, a missa e traçava uma cruz de cinzas na testa dos fiéis.

Hoje acho difícil que alguém faça isso, até porque se tivermos a chance de dormir um pouquinho mais antes de voltar ao trabalho, especialmente para quem se esbaldou na folia por quatro dias, dormiremos. E quem não se entregou aos folguedos de Momo, não tem nada que ir pedir perdão na Igreja.

Mas eis que a tradição é preservada e vamos todos nós lá trabalhar depois do meio dia. Alguns chegam com a cara mais inchada do mundo, com a cabeça doendo, o estômago meio virado e em casos extremos, com alguns confetes ainda presos no cabelo. Outros chegam dispostos, mas não dispostos a trabalhar. A maioria vai ficar comentando o que fez, para onde viajou, o que aconteceu e blá blá blá.

O chefe então, este sim. Chega depois de todo mundo, com uma cara péssima e se tranca em sua sala só para não dar o braço a torcer de que também aproveitou o feriado, afinal de contas ele está ali para convencer a todos que o bom mesmo é trabalhar. Bom pra quem?

Pode parecer pentelho ter que trabalhar meio período, mas no fundo não seria nada mal que toda volta de feriado fosse assim. Pra ir adaptando aos poucos.

Post Anual Sobre Carnaval

Posted in Olhares with tags on 12/02/2010 by Kilminster

Tem coisa mais chata do que atender ao telefone vendedores de assinatura de revista? Talvez a transmissão do carnaval da Bahia. Ou as reportagens da Globo no Jornal Hoje, mostrando sempre os mesmíssimos blocos de frevo, tipo o Galo da Madrugada e blá blá blá.

Carnaval era pra ser uma festa espontânea, do povo, em que todos participam, mas para tal, o cidadão precisa desembolsar quantias consideráveis para um ingresso no sambódromo, entrada de baile ou abadá para seguir um bloco qualquer. Nonsense.

Carnaval é um feriado genial, mas seria legal se desse para tocar outro som, né não?

E atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu. Quem já morreu e eu!

Aliás, seguir o trio elétrico é como ir à 25 de Março no dia 23 de dezembro, só que com música muito ruim bombando no alto-falante.

Como brilhantemente twittou @bomdiaporque, “Eu sou realmente a favor da paradinha das baterias de escola de samba. Até acho que elas poderiam durar para sempre”.

Acho que o que eu queria de verdade era estar fazendo o check-in no aeroporto para qualquer lugar longe…

Posted in Cartoon on 10/02/2010 by Kilminster